Clubes Bíblicos
Motivando gerações para multiplicar discipuladores
Hora Silenciosa

Semana 1 - Terça-feira

Percebendo a ação de Deus

Texto (tradução - NVI):

Salmos 28.1-9
 1 A ti eu clamo, Senhor, minha Rocha; não fiques indiferente para comigo. Se permaneceres calado, serei como os que descem à cova. 2 Ouve as minhas súplicas quando clamo a ti por socorro, quando ergo as mãos para o teu Lugar Santíssimo. 3 Não me dês o castigo reservado para os ímpios e para os malfeitores, que falam como amigos com o próximo, mas abrigam maldade no coração. 4 Retribui-lhes conforme os seus atos, conforme as suas más obras; retribui-lhes pelo que as suas mãos têm feito e dá-lhes o que merecem. 5 Visto que não consideram os feitos do Senhor, nem as obras de suas mãos, ele os arrasará e jamais os deixará reerguer-se. 6 Bendito seja o Senhor, pois ouviu as minhas súplicas. 7 O Senhor é a minha força e o meu escudo; nele o meu coração confia, e dele recebo ajuda. Meu coração exulta de alegria, e com o meu cântico lhe darei graças. 8 O Senhor é a força do seu povo, a fortaleza que salva o seu ungido. 9 Salva o teu povo e abençoa a tua herança! Cuida deles como o seu pastor e conduze-os para sempre.

Comentário:

O salmo que lemos hoje também é considerado um salmo de lamentação. Nesse caso, Davi temia por sua segurança e integridade física. Podemos perceber isso no versículo 7 quando se refere ao Senhor como sua força e escudo. Nesse contexto de perigo iminente, o autor inicia o salmo clamando ao Senhor e pedindo que responda às suas súplicas. Isso nos faz entender que as suas orações até então não haviam sido respondidas. Entretanto, a partir do versículo 6 já podemos perceber que cenário se inverte, e o autor louva o Senhor por ter respondido às suas súplicas. O texto não informa por quanto tempo Davi clamou, mas ao lermos o texto vemos que a sua angústia foi tão intensa que ele diz que a sua continuidade seria como a morte (v. 1). Mesmo diante de tal cenário, Davi perseverou em oração e deixou com o Senhor a justiça, pois sabia que esta não poderia ser feita por ele ou por qualquer outro homem. O Senhor mesmo nos exorta a deixar tudo com Ele (Rm 12.19). É até constrangedor pensarmos que desistimos por muito menos. Dizemos que vamos confiar, mas no primeiro contratempo que aparece nos esquecemos de quem Deus é e partimos para uma ação impulsiva e impensada.

Se você está passando por alguma tribulação e acha que o Senhor não está atento ao seu clamor, persevere em oração e confie nEle. Exerça o domínio próprio e depois você poderá bendizê-lO, assim como fez o salmista.

O texto acima foi extraído do Diário de Hora Silenciosa Jovem. Para adquirí-lo, clique aqui.