Seminário Bíblico Palavra da Vida
Vivendo na Palavra, visando o mundo
História

Histórico do SBPV

Em 1965, mais um dos sonhos dos fundadores da OPV Brasil, Haroldo Reimer e Ary Bollback, é concretizado: inauguração do Instituto Bíblico Palavra da Vida.
Desde que vieram ao Brasil trabalhar entre os índios em 1952, os dois missionários perceberam a importância de motivar os próprios brasileiros para alcançar as muitas tribos ainda sem a presença do Evangelho. A primeira iniciativa em prol disso foi em 1957 com a criação de um acampamento para impactar a vida de jovens com a Palavra de Deus na cidade de Atibaia. Depois de seis anos, em 1963, a inauguração da Estância ampliou esse alcance, pois se tornou um local voltado para receber famílias. No entanto, Haroldo e Ary ainda sentiam a necessidade de oferecer melhor capacitação e estudos sistemáticos da Bíblia a fim de ajudar na difusão da visão missionária.
Como nenhum dos dois tinha experiência com educação, nem Jack Wyrtzen, fundador da Word of Life, em Nova Iorque, eles acharam por bem convidar Davi Cox, marido de Mary-Ann, filha de Jack. Nessa época, Davi já era formado em teologia com ênfase em Educação Cristã e estava envolvido no treinamento de conselheiros durante as temporadas de verão no acampamento em Nova Iorque. Ao pedir a orientação de Deus, uma pergunta ecoou em sua mente: "Porque não ir ao Brasil para fazer durante 12 meses o que faço aqui em apenas dois?". Ele e sua esposa aceitaram o desafio e iniciaram a primeira turma de alunos no início de 1965 com quatro homens e sete mulheres. Desde o início, a filosofia implicava em manter equilibradas as áreas de ESTUDO, VIDA e MINISTÉRIO, visando promover indivíduos competentes no conhecimento, prática e comunicação da Palavra de Deus.
Organizado desde 1965, o antigo Instituto Bíblico já ampliou seus programas e já é denominado Seminário Bíblico Palavra da Vida desde meados de 1984, oferecendo cursos de liderança, licenciatura, bacharelado e pós-graduação.

Perfil dos três reitores

Davi Cox

Três reitores

Filho de missionários norte-americanos, Newberry e Catherine Cox, Davi cresceu na Guatemala, local em que seus pais trabalhavam. Aos 14 anos, foi enviado aos EUA para dar continuidade aos seus estudos. Como ensino superior, optou pelo bacharelado em Teologia com ênfase em Educação Cristã no Seminário Teológico de Dallas. "Escolhi essa especialização, pois gostei muito do estilo e metodologia do diretor desta área, Howard Hendricks", explica Davi.
Na época da elaboração de seu TCC, Davi quis desenvolver um tema prático para seu ministério. Como trabalhava como chefe da equipe da Word of Life, ele decidiu escrever um manual de treinamento para líderes de acampamento. "Visitei mais de cem locais diferentes para anotar as melhores práticas e necessidades. A partir disso, escrevi um manual e passei a oferecer um curso de verão. Tive grande ajuda do dr. Hendricks nisso até chegarmos à filosofia de Estudo, Vida e Ministério", diz Davi. Esse programa foi tão bem sucedido, que outras escolas teológicas enviavam seus alunos para serem treinados por eles a fim de assumirem posições de lideranças em suas instituições.
Apesar de grande êxito em seu ministério, Davi sempre quis servir no campo missionário. Jack Wirtzen, seu sogro, chegou a custear algumas viagens para a América Central a fim de que ele e sua filha Mary-Ann pudessem escolher onde gostariam de trabalhar, no entanto, nada ainda tinha se confirmado. No mesmo período em que Davi estava em profundos questionamentos sobre seu ministério, Haroldo e Ary conversavam com Jack sobre a criação de uma escola teológica no Brasil. Davi foi convidado para liderar o desafio em meados de 1962. "Durante o acampamento de verão de 1963, orei sozinho no bosque para buscar respostas de Deus. Foi ali que uma pergunta ecoou em minha mente: porque não fazer em 12 meses, o que eu tenho feito em apenas dois?". Davi e Mary-Ann aceitaram o desafio e de acordo com a previsão prematura de Jack, partiram para o Brasil em 15 de novembro de 1963 com o sustento completo.
Após aulas intensivas para aprender o português e muitas visitas a outras escolas teológicas, a primeira turma iniciou suas aulas em 1965, com 11 alunos (quatro homens e sete mulheres). Desta data até 1993, Davi Cox manteve-se como reitor, sempre prezando a filosofia de Estudo, Vida e Ministério. "Com o crescimento da escola, tivemos de separar os alunos em pequenos grupos a fim de não perdemos o acompanhado pessoal de cada um. Creio que durante o período em que estive à frente do seminário tentei preservar a descentralização a fim de tornar forte e evidente o discipulado e o crescimento espiritual por meio de investimento de vida na vida. Meu maior sonho é que essa filosofia nunca se perca, pois se não o seminário perderá seu valor de existência. Também gostaria que aumentassem o número de apartamentos para alunos casados para oferecermos mais vagas para famílias", conclui Davi Cox.


Carlos Osvaldo Cardoso Pinto

Filho de pais cristãos, Carlos foi para o Instituto Bíblico Palavra da Vida em 1969 e formou-se bacharel em 1973, ano em que também se casou com Artemis, que se formara junto com ele. Por dois anos trabalharam à frente de uma igreja em São Paulo, mas depois disso, seguiram para os EUA para ele cursar o mestrado em Teologia com ênfase no Antigo Testamento e línguas semíticas no Seminário Teológico de Dallas.
Voltaram ao Brasil em meados de 1979 e Carlos foi convidado pelo SBPV para ser professor e assumir como deão acadêmico no ano seguinte, cargo em que permaneceu por sete anos.
Em 1988, ele decide voltar aos EUA para cursar doutorado em Interpretação e Exposição Bíblica também no Seminário Teológico de Dallas. Retorna ao Brasil em 1991 e durante o ano seguinte apenas leciona algumas matérias no SBPV, o que, no entanto, só durou este período, pois no final de 1993 assumiu como reitor, permanecendo nesta função até 2010, quando passou a ser Chanceler da Organização Palavra da Vida.
Durante esses anos em que esteve na liderança do SBPV, Calos dedicou-se a dar maior aprofundamento acadêmico aos cursos oferecidos, esforçando-se para não sacrificar a filosofia principal do seminário que enfatiza os três setores: estudos, vida e ministério. "Creio que buscar excelência na área acadêmica proporcionou melhor desempenho também em cursos como o CTL e Mestrado, estendendo ainda mais o alcance do seminário", completa Carlos.
Além desse grande desafio, Carlos manteve-se motivado a permanecer neste cargo por 17 anos por ter de coordenar uma equipe tão competente e diversificada. "É um grande estímulo orientar pessoas tão qualificadas e com personalidades tão diferentes. Sabia que podia contar com eles nas áreas em que tinha mais dificuldade de dar conta, como ter mais tempo com os alunos, e isso sempre me deu muita tranquilidade", finaliza Carlos.


Paulo Silva França

Cristão de berço da 1ª Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, Paulo formou-se em Administração pela UFMG em 1985 e chegou a trabalhar na área enquanto estudava. Ao finalizar o curso, ingressou no bacharel em teologia com ênfase em Educação Cristã e Ministério Pastoral no Seminário Bíblico Palavra da Vida.
Ainda em seu quarto ano de estudo, assumiu a coordenação do CTL, permanecendo nesta posição no ano seguinte, em conjunto com o trabalho de pastor auxiliar na IECA, Igreja Congregacional Atibaiense.
Com o término do bacharel, Paulo permaneceu como pastor de jovens por cinco anos na mesma igreja, período em que se casou. Em 1996, ele assume o setor Estudos do SBPV, cargo que permaneceu até 2010. "Por causa da minha formação anterior, creio que pude contribuir na organização e informatização dos processos, como também ajudar na antecedência com que tudo era feito. Também me empenhei bastante em melhorar o nível dos professores, na seleção e busca por profissionais cada vez mais bem capacitados", explica Paulo.
Em 2003, Paulo assume concomitantemente a coordenação da graduação e prossegue no propósito de organizar os setores, valorizar cada área e manter a continuidade do que já estava sendo feito. "Minha ideia sempre foi trazer pessoas interessantes e que tivessem o perfil do seminário. Entre eles foram o Helder Cardin, Marcelo Dias e Roberto Rodrigues" fala Paulo.
O desafio atual de Paulo é a reitoria, cargo assumido integralmente em 2011. Como objetivos, ele pretende manter uma boa comunicação entre todos os setores da OPV, fazer ajustes na equipe e torná-la cada vez mais realizada, aproveitar sua experiência administrativa para organizar melhor as finanças, pastorear os alunos e continuar defendendo a excelência nas três áreas de ênfase do seminário: estudo, vida e ministério. "Vejo que Deus tem direcionado minha vida e agradeço por ver que estou cumprindo o que Ele deseja pra mim. Terei muitos desafios pela frente e os maiores são manter a equipe trabalhando bem e harmonizada e assegurar que a filosofia principal do seminário seja mantida", Paulo finaliza.